sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Céééérebro



...Foi o tempo de olhar para o lado e ver mais dois companheiros, antes de ouvir aquele barulho. Não sei o que mais me incomodava: se era o fato de ouvir os passos arrastados e aquele som gutural ou as tábuas sendo arrancadas da janela... Bom, acho que era a falta de munição o que mais me irritava.

Corri e peguei uma espingarda na parede. Foi o que consegui naquele momento, acho que um calibre doze, com dois cartuchos... Humpf, a cada dois tiros eu sabia que teria de parar e trocar os cartuchos, mas é isso ou minha vida!

Enquanto ele tirava a segunda tábua da janela, segurei um pouco a respiração. Virei a arma em direção a sua cabeça. Fiz questão que ele me visse! Que levasse de volta para o inferno a minha imagem! Puxei o gatilho. Foi rápido. Foi um tiro só. Não foi limpo! O sangue dele espirrou nas paredes enquanto, do lado de fora da janela, jazia um pedaço de corpo, sem vida... E sem cabeça.

Era o tempo que precisava para colocar as tábuas de volta na janela. Rápido! Ouvi mais tiros dentro da casa, pelo jeito eu não era o único com problemas... Ok, precisamos nos comunicar, não vai ter como segurar isso por muito tempo. Outro filho da mãe vinha andando lentamente em direção à janela. Dessa vez não esperei. Tampouco fiz muita mira. Foi no meio do peito! BAM! Caído. Recarrega gracinha... Anda!

Soldado1: Tá tudo bem aí? Alguém tá precisando de alguma coisa?

Soldado2: Tudo limpo!

Soldado3: Aqui também!

Soldado 1: E agora? De onde eles estão vindo?

Soldado 2: Não sei, cada um pega uma porta ou janela, tá? Assim um não deixa o outro descoberto!

Soldado 1: Ok!

Soldado 3: Ok!

Temos a estratégia. Temos armas. Agora é só segurar esses filhos da mãe, desalmados!

Não demorou muito para que eu visse o terceiro deles por entre as tábuas. Apoiei minha arma bem no meio da fresta e puxei o gatilho. Duas vezes. Esse não dá mais trabalho... Parecia uma maldição! A recarga demorou uma eternidade enquanto eu via – à minha frente – mais uma tábua ser despedaçada, como se fosse papel...

- Toma isso filho da mãe! – foi o máximo que eu consegui dizer, antes de apertar o gatilho, ainda meio sem mira. Para minha sorte o tiro foi certeiro e outra cabeça havia voado pelos ares... Coloquei outra tábua no lugar o mais rápido que consegui. E os safados continuavam a surgir, não sei de onde.

Soldado 1: E aí? Todo mundo bem?

Soldado 2: Belezinha!

Soldado 3: Ih...

Que porra de “ih” era aquele??? “Ih”?!?! Eu esperava tudo, menos um “ih”. Sei lá, um “ok”, quem sabe, um “limpo”... Até um “Roger” ou “Câmbio”, sei lá, mas “ih”???

Fudeu! Foi o tempo de virar pra trás e tomar um golpe na cabeça!


Soldado 1: Tem zumbi no salão, porra! Quem não cuidou da porta????

Enquanto eu fugia e atirava a resposta veio nítida, no fone:

- Ih...

Ah não! “Ih” de novo, não! Não acredito! Bom, pelos menos sabíamos quem era o culpado...

Soldado 1: Atira! Atira! Atira! Vamos pra porta! Para de tentar matar esses porras na faca! Vem ajudar!

Soldado 3: Tá bom! Tô indo!

Soldado 1: Vem que eu já abri a porta. Corre! Corre!

Soldado 2: Já to aqui.

Foi uma imagem impressionante, eram zumbis que invadiam a casa por todos os lados... Portas, janelas, telhado! Sei lá de onde surgiam tantos! Soldado 2 jogou uma granada. Fiquei olhando os pedaços voarem, enquanto fazia mira nos zumbis que sobreviveram à explosão. Eram apenas tronco, braços e cabeça se arrastando. E, mesmo assim, vindo em minha direção! Mais dois tiros... Mais dois zumbis mortos...

Soldado 1: Vamos pra outra porta, tem uma metralhadora lá fora!

Soldado 2: Beleza, deixa que essa eu abro!

Soldado 1: Vamos! Vamos! To pegando a metranca!

- Ih...

Juro! Nessa hora eu comecei a fazer mira, procurando a cabeça do soldado 3!

Soldado 3: Hihihi...

Soldado 1: Que foi agora? QUE CÊ TÁ FAZENDO?!?!?!

Solado 3: Morri. Alguém me salva?

Soldado 1: MAS ERA PRA IR PRA PORTA!

Soldado 3: Mas eu vi eles entrando e fui fazer mira! Aí eu fiquei aqui na frente...


Entre tiros e zumbis, consegui abaixar e iniciar o salvamento do soldado 3... Mas o cenário ficava pior – e mais desolador - a cada minuto...


Soldado 2: Eles estão entrando pelas outras portas! (BAM) (BAM)

Olhei para o lado e vi dois zumbis tombarem, perto de nós, sem vida... Belo tiro do soldado 2!

Soldado 1: Bora, não fica parado, vai pegar a metralhadora lá fora.

Soldado 3: Tá!

Sai correndo. Minha vida dependia disso... Meus amigos dependiam disso. Chegamos a um ponto, do lado de fora da casa, e ainda atirando, tínhamos apenas uma grade que nos separava de outra escada. Talvez por ali conseguíssemos fugir. Quem sabe encontrar novas armas? Quem sabe, pelo menos, ligar a porra da luz de novo!!!

- Ih...

Soldado 1: QUÊ?

- Cachorro...


Aí fudeu de vez, foi uma meia dúzia de cachorro surgindo do nada, pulando e matando todo mundo... só deu tempo de ver a tela começar a escurecer... Game Over...

- PORRA! MAS NÃO ERA PRA CADA UM CUIDAR DE UMA PORTA?!?!? NÃO ERA A ESTRATÉGIA QUE A GENTE TÁ COMBINANDO DESDE O ALMOÇO???

- Era...

- Menino Mau! Não reclama!

- MAS FOI VOCÊ QUE PROPÔS A ESTRATÉGIA!!! COMO NÃO É PARA EU RECLAMAR?!?!?! CHEGA, EU VOU DORMIR! BOA-NOITE!

- Boa-noite...


- Amanhã tem mais né???



Homenagem (singela...) ao aniversário de George A. Romero, hoje! O pai de todos os zumbis! Se não fosse por ele, essa fase do Call of Duty Black Ops nem existiria...

Mas, principalmente, homenagem aos meus dois amigos e companheiros de tiro na PSN!!!

Hoje tem mais!!!


2 comentários:

D. Baratinha disse...

P.....orra!!!! Até eu jogo melhor q o soldado Ih!

Hihihihihihi.

Edu Bueno disse...

Sempre tem aquele dia que a vida tira um sarro da cara das pessoas.

Imagine a situação: Três soldados no pentágono. Um elevador disponível para descer.

Os zumbis começam a invadir o corredor e o combinado é executado:

"Todo mundo pro elevador!"

Os zumbis chegando a porta do elevador, não tem mais nada a fazer senão apertar o botão e fechar a porta.

A porta é fechada e os soldados conferem tudo:

"Todos entraram?"

"Não, morri!"

Adivinha só quem é o soldado?

Soldado Ih.

Que surpresa hein.

D. Baratinha junte-se a nós, as risadas estão garantidas.

;-)